Histórico
 24/10/2004 a 30/10/2004
 17/10/2004 a 23/10/2004
 10/10/2004 a 16/10/2004
 03/10/2004 a 09/10/2004
 26/09/2004 a 02/10/2004
 19/09/2004 a 25/09/2004
 12/09/2004 a 18/09/2004
 05/09/2004 a 11/09/2004
 29/08/2004 a 04/09/2004
 22/08/2004 a 28/08/2004
 15/08/2004 a 21/08/2004
 08/08/2004 a 14/08/2004
 01/08/2004 a 07/08/2004
 25/07/2004 a 31/07/2004
 18/07/2004 a 24/07/2004
 11/07/2004 a 17/07/2004
 04/07/2004 a 10/07/2004
 27/06/2004 a 03/07/2004
 20/06/2004 a 26/06/2004
 13/06/2004 a 19/06/2004
 06/06/2004 a 12/06/2004
 30/05/2004 a 05/06/2004
 23/05/2004 a 29/05/2004
 16/05/2004 a 22/05/2004
 09/05/2004 a 15/05/2004
 02/05/2004 a 08/05/2004
 25/04/2004 a 01/05/2004
 18/04/2004 a 24/04/2004
 11/04/2004 a 17/04/2004
 04/04/2004 a 10/04/2004
 28/03/2004 a 03/04/2004
 21/03/2004 a 27/03/2004
 14/03/2004 a 20/03/2004
 07/03/2004 a 13/03/2004


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Mundo Digital (Blog)
 Inclusão Digital (Site)
 Acessibilidade Brasil
 InternETC (Blog)
 Querido Leitor! (Blog)
 Dilbert (Cartum)


 
Dígito
 
 blogdigito@yahoo.com.br
ciberleitor(es) online


festa.julina(char empresa);

Foi-se junho. Santo Antônio passou. São João passou. Santo André passou (o Flamengo). Mas a festa continua.

Hoje, tem festa julina na empresa. Tem quadrilha? Tem sim, sinhô. Mas todos são de bem e de família. Tem canjica? Tem sim, sinhô. Branca e amarela. Tem casamento? Tem sim, sinhô. Com beijo na noiva sob a espingarda do pai. Tem quentão? Tem sim, sinhô. Para quando faltar o abraço ou a coragem. Tem fogueira? Tem não, porque senão irão pensar que está havendo um incêndio.

Mas tem pescaria. E é por isso que o pessoal fica. Todo mundo quer levar um brinde para casa. Com a barriga cheia e um sorriso nos lábios...



 Escrito por Dígito às 07h29 [ ] [ envie esta mensagem ]



tema(const int assunto);

Quando há o tema certo não falta assunto. Porque, é desesperador, às vezes, encontrar um assunto para postar. Há dias que passam sem nada de especial. Ou estávamos ocupados demais para percebermos. E nos envergonhamos de escrever uma ou duas linhas. Ou pior, não ter nada a dizer.

Mas, quando ligamos a TV nos surpreendemos. Há sempre novidades (ou mesmices do cotidiano?). Corrupção, violência, inflação, fofoca. Alguns programas são especializados em tragédias do dia a dia. Há sempre gente matando ou morrendo, ou ambas. Outros exploram os dramas pessoais. Todo mundo tem problema. Mas a fofoca é imbatível. Quando não existe, inventam.

E fechamos a janela. E por trás das cortinas e do vidro sujo, espiamos a rua e desconfiamos das pessoas. As portas estão trancadas por um molho de chaves (onde é mesmo a saída?). O alarme em alerta e as câmeras vigilantes. O quarto escuro está abafado. Mas, sobreviveremos. Temos um medo inconfesso de dormir. Contudo, a coragem de ler um romance policial tranqüilamente...



 Escrito por Dígito às 07h31 [ ] [ envie esta mensagem ]



wake up!

Acordar. Acordando. Acordado. Por que os minutos que antecedem o despertador velam o sono mais angelical e os sonhos mais bonitos?

Os olhos orientais. Um sonambulismo preguiçoso. Encolher-se como uma lesma num casulo de edredom. Para despertar! Mas sem asas...



 Escrito por Dígito às 08h05 [ ] [ envie esta mensagem ]



novos.tempos(velhos amigos);

Um giro nos ponteiros. Um reencontro com o passado. Não por meio de uma lembrança. Mas com abraços e apertos de mãos.

Encontrei-me com dois amigos. Não éramos mais aqueles três adolescentes, mas fomos à mesma lanchonete. Três senhores e muitas histórias para contar. Mas não falamos do que passou, porque a noite era curta e longa foi nossa caminhada. Passamos por uma conversa madura no entanto com as bobagens de sempre.  

O tempo deixou os seus passos. Era inevitável. Mas amizade permanecia imortal. Não é preciso adjetivo para essa virtude. Faz-se por si mesma.

Ao final, cada um pagou a seu modo: tíquete, cheque, cartão. Era dinheiro enfim, com roupagem diferente. Mas não vinha da mesada. 



 Escrito por Dígito às 07h51 [ ] [ envie esta mensagem ]



dia(concurso publico);

Em dia de concurso público, é sempre interessante observar a fauna de tipos e os tiques que afloram.

A espera frente aos portões é angustiante. Cada um com o seu tique nervoso, manias e mandingas. Todos se analisando e dimensionando a infinitude de concorrentes que não param de chegar.

Alguns aparecem como se estivessem investidos no cargo. Roupa social, gravata e sapato impecável. Faltando apenas o crachá. Outras parecem que vieram para passear num shopping. Com seus saltos e bolsinhas. E as pernas de fora para compensar o conteúdo que falta dentro de suas cabecinhas oxigenadas. Outros fazem um piquenique. Bolacha, chocolate, barra de cereal, suco e água mineral. Quem não pode contenta-se com bebedouro e rói a unha mesmo. Há também os que ficam muito à vontade. Chinelo, bermuda, camiseta e aquela pergunta: "o que estou fazendo aqui?".



 Escrito por Dígito às 07h26 [ ] [ envie esta mensagem ]