Histórico
 24/10/2004 a 30/10/2004
 17/10/2004 a 23/10/2004
 10/10/2004 a 16/10/2004
 03/10/2004 a 09/10/2004
 26/09/2004 a 02/10/2004
 19/09/2004 a 25/09/2004
 12/09/2004 a 18/09/2004
 05/09/2004 a 11/09/2004
 29/08/2004 a 04/09/2004
 22/08/2004 a 28/08/2004
 15/08/2004 a 21/08/2004
 08/08/2004 a 14/08/2004
 01/08/2004 a 07/08/2004
 25/07/2004 a 31/07/2004
 18/07/2004 a 24/07/2004
 11/07/2004 a 17/07/2004
 04/07/2004 a 10/07/2004
 27/06/2004 a 03/07/2004
 20/06/2004 a 26/06/2004
 13/06/2004 a 19/06/2004
 06/06/2004 a 12/06/2004
 30/05/2004 a 05/06/2004
 23/05/2004 a 29/05/2004
 16/05/2004 a 22/05/2004
 09/05/2004 a 15/05/2004
 02/05/2004 a 08/05/2004
 25/04/2004 a 01/05/2004
 18/04/2004 a 24/04/2004
 11/04/2004 a 17/04/2004
 04/04/2004 a 10/04/2004
 28/03/2004 a 03/04/2004
 21/03/2004 a 27/03/2004
 14/03/2004 a 20/03/2004
 07/03/2004 a 13/03/2004


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Mundo Digital (Blog)
 Inclusão Digital (Site)
 Acessibilidade Brasil
 InternETC (Blog)
 Querido Leitor! (Blog)
 Dilbert (Cartum)


 
Dígito
 
 blogdigito@yahoo.com.br
ciberleitor(es) online


sem.título(sem idéia);

Start este Post sem título nem idéia do que vou escrever. Não vou dizer que estou sem inspiração, pois estaria sendo repetitivo. Um loop de uma postagem passada.

Como seria tão bom apenas teclar Home com um Esc na rotina. E permanecer em Sleep. Quietinho em Pause.

Acordei com as baterias quase descarregadas. Devem ser os efeitos da pós-gripe. Estou entorpecido por comprimidos, xaropes e uma dose de estresse. E preciso de Power OnShiftPage Up. Ou vitamina, energético, pó de guaraná e cafezinho.

Falo, às vezes, como um velho cansado. Velho, ainda não. Mas, bastante cansado. Caducando e cambaleando. Tab, tab, tab. Sempre em frente porque o Sistema não pode parar.

E não vou encerrar estas divagações com um ponto ou reticências. Mas com um bocejo()   



 Escrito por Dígito às 07h58 [ ] [ envie esta mensagem ]



photo.grafia(instante);

Flash. Registrar o instante numa fotografia. A ótica de um momento sob a lente de quem tudo observa.

Não há palavras que possam descrever uma imagem. Nem poesia que retrate um significado pessoal. Virgulas e reticências são insuficientes. Não dizem nada.

Quantas lágrimas e sorrisos fotografamos na lembrança?! Quais são os rostos e desgostos que ficam na parede de nosso coração?! O que se eterniza e se rasga dentro de nós?!

Do alvorecer ao por-do-sol, as matizes nunca são as mesmas. Haverá sempre luz e sombra. E um quadro a pintar sob as nossas mãos...



 Escrito por Dígito às 07h23 [ ] [ envie esta mensagem ]



segurança(const float bsb);

Minha cidade (ainda) não tem firewall. Mas muros com cacos de vidro, janelas com grade, carros com alarme e cachorros que latem com medo.

Nos jornais, crônicas de terror e violência. Nas ruas, tragédias e elegias. Nas vidas (se há vida), uma canção, um suspiro e um alívio.

Vejo policiais e camburões com suas sirenes estridentes e extravagantes. Estão abordando, multando e assassinando cidadãos comuns. Os meliantes passeiam anônimos. E nunca sei se estão de gravata ou com um 38 na mão. Todos são culpados até que provem inocentes. 

Às vezes, é preciso muito mais que sanidade e coragem para sobreviver a cada dia. Quem sabe, uma oração e um seguro de vida... 



 Escrito por Dígito às 07h20 [ ] [ envie esta mensagem ]



evento(TI);

Participar de eventos de TI é muito interessante. Encontram-se amigos, conhecem-se desconhecidos. Vê-se o inimaginado. Ouve-se muito do pouco que se entende.

Todos fazem cara de especialistas. E franzem a testa como inteligentes. Ficam ora fascinados ora entediados. E todos esperam pacientemente o coffee-break. Alguns parecem que vieram justamente por esse motivo. Parecem moscas que não desgrudam da mesa enquanto não devorarem as sobras.

Há também os que vieram por causa dos brindes. Alguns resistem até o final das palestras por causa dos sorteios. Mas aí, já é uma questão de sorte.



 Escrito por Dígito às 07h14 [ ] [ envie esta mensagem ]



atraso(trabalho);

Acordei atrasado. Eu sei, o despertador bem que me avisou. Mas não quis acreditar. Quer dizer, recusei-me a levantar.

Então, é um corre-corre. Pula da cama, escova os dentes, calça, sapato, camisa, maleta... E pé no acelerador.

Contudo, quando se chega ao trabalho o importante é fingir que nada aconteceu. Bom dia para um e para outro. O porteiro pelo menos não reparou... O chefe ainda não chegou... E...

Ih, esqueci-me do ponto... O ponto vai me denunciar! 



 Escrito por Dígito às 07h27 [ ] [ envie esta mensagem ]