Histórico
 24/10/2004 a 30/10/2004
 17/10/2004 a 23/10/2004
 10/10/2004 a 16/10/2004
 03/10/2004 a 09/10/2004
 26/09/2004 a 02/10/2004
 19/09/2004 a 25/09/2004
 12/09/2004 a 18/09/2004
 05/09/2004 a 11/09/2004
 29/08/2004 a 04/09/2004
 22/08/2004 a 28/08/2004
 15/08/2004 a 21/08/2004
 08/08/2004 a 14/08/2004
 01/08/2004 a 07/08/2004
 25/07/2004 a 31/07/2004
 18/07/2004 a 24/07/2004
 11/07/2004 a 17/07/2004
 04/07/2004 a 10/07/2004
 27/06/2004 a 03/07/2004
 20/06/2004 a 26/06/2004
 13/06/2004 a 19/06/2004
 06/06/2004 a 12/06/2004
 30/05/2004 a 05/06/2004
 23/05/2004 a 29/05/2004
 16/05/2004 a 22/05/2004
 09/05/2004 a 15/05/2004
 02/05/2004 a 08/05/2004
 25/04/2004 a 01/05/2004
 18/04/2004 a 24/04/2004
 11/04/2004 a 17/04/2004
 04/04/2004 a 10/04/2004
 28/03/2004 a 03/04/2004
 21/03/2004 a 27/03/2004
 14/03/2004 a 20/03/2004
 07/03/2004 a 13/03/2004


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Mundo Digital (Blog)
 Inclusão Digital (Site)
 Acessibilidade Brasil
 InternETC (Blog)
 Querido Leitor! (Blog)
 Dilbert (Cartum)


 
Dígito
 
 blogdigito@yahoo.com.br
ciberleitor(es) online


nick.name(int num);

As pessoas perguntam meu nome. Mas qual a importância?! É apenas uma combinação de caracteres formando palavras. Simplesmente, pré-nomes e sobrenomes. Que se parecem numa lista telefônica ou se familiarizam no cotidiano. Ou ainda, eternizam-se numa lápide abandonada no cemitério.

Para o Receita, sou apenas CPF. Para o banco, CC. Para a polícia, RG. Para o comércio, SPC. E para os políticos, Título de Eleitor. Então, sou apenas um número ou um conjunto de inteiros. Um registro contabilizado nas estatísticas. Um campo nas planílhas e relatórios. Um operando nos somatórios alheios.

Sou apenas Dígito. Um dígito entre tantos outros. Formando, trabalhando e mantendo o Sistema. Setado entre Vazios. Anônimo por instrução. Sem rosto, sem forma, sem identificação. Meu significado em cada (pre)conceito. Entre o amor e o ódio; a admiração e a inveja; a lembrança e o esquecimento.

Não uso máscaras. Mas meu signo é Enigma com ascendente em Mistério. Ainda não apagaram minhas digitais e sei quem sou...   



 Escrito por Dígito às 07h16 [ ] [ envie esta mensagem ]



quinta.feira(segunda.feira);

Quinta-feira com cara de segundona. Ontem, liguei a TV para assistir o Fantástico. Caramba, era o JN. Hoje, acordei preparado para enfrentar uma longa semana.

E amanhã... Amanhã é sexta-feira!



 Escrito por Dígito às 07h24 [ ] [ envie esta mensagem ]



bsb.niver();

Aniversário de Brasília. 44 anos. Os filhos dos candangos já são pais de adolescentes ou até avós precoces.

Brasília chega à meia idade com suas glórias e seus problemas. Está cada vez mais cosmopolita. Já não é mais uma metrópole com ares do interior. Os edifícios permanecem baixos, mas engorda dos lados e se esparrama pelo subúrbio. Precisa de algumas plásticas e reformas. Mas e a verba? Sumiu com o superfaturamento.

Mas cantemos parabéns. Vamos assoprar as velinhas e apagar o último escândalo. A festa não tem brigadeiro. Mas tem panen et circenses. E de bolo em bolo, tudo termina em pizza.

Brasília, desculpa. Sei que não tens parte nas barbaridades que fazem sob tuas asas. "Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem" (Lucas 23:34).   

Se és patrimônio da humanidade, és também tesouro em nossos corações. E aprendemos a te amar pela tua arquitetura, tua heterogeneidade étnica-racial-regional-sexual, e por teu céu límpido como águas cristalinas. 

Brasília, obrigado por seres a cidade em que nasci.



 Escrito por Dígito às 08h38 [ ] [ envie esta mensagem ]



muros [TTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTT]

Os muros nascem quando a cidadania está perdida. Quando não há mais diálogo nem perdão. A intolerância em cada tijolo. O muro se faz cimentado por ódio e rebocado por murros.

Os muros estão farpados e as mãos sangram. O horizonte está cercado. As famílias se escondem atrás das grades, fechaduras e cadeados. Mas ainda canta o sabiá.

Os olhos estão com medo. Armas e cacetetes nas mãos. Viver é muito perigoso...    



 Escrito por Dígito às 08h07 [ ] [ envie esta mensagem ]



date(índio);

Somos todos índios. Alguns bons selvagens. Outros apenas caras pintadas como palhaços pelo homem branco.

Estrangeiros ainda invadem nossas terras. Pelo ar, pela terra, pelo mar. Por ideologias, por grifes e tecnologias. E nos compram com espelhos e bijouterias. Fantasiamo-nos de reis e não conseguimos enxergar o próprio ridículo. Deixamos nos roubarem, extorquirem-nos, escravizarem-nos e pensarem por nós. E pagamos nossas dívidas com royalties, patentes, prostituição, tráfico de drogas, armas, orgãos e crianças.

Mas vamos comemorar todos juntos. Caboclos, mulatos, cafuzos e mamelucos. Acendamos uma grande fogueira porque a luz da estrela se apagou. É outra mentira. Uma fábula do passado.  Meio milênio de subserviência ao velho mundo.

Onde estão os arcos e as flechas?! Quando soarão novamente os tambores?!



 Escrito por Dígito às 07h48 [ ] [ envie esta mensagem ]